Do what you feel; feel until the end.

Uma vez minha mãe contou que quando ela era mais nova, mais ou menos na minha idade, ela conheceu um cara depois de terminar um namoro longo. Esse cara que ela conheceu a fez sentir algo estranho, com o qual nós não estamos acostumados e, por tanto, não sabemos nomear. Era diferente e era intenso, como se os dois tivesse que ficar juntos, faziam parte um do outro; o ar não era o mesmo quando eles não estavam perto um do outro e mais um monte de coisas gays que eu posso citar. O fato é que algo dentro dela dizia que ela tinha que ficar com ele, e algo dentro dele dizia que ele tinha que ficar com ela; era um fato inegável, simplesmente era assim.

Mas, como toda pessoa que tem medo do que sente, ela não quis se entregar àquilo. Tinha acabado de terminar um relacionamento complicado, não queria mais um por mais que aquilo parecesse perfeito e certo...

Os dois se afastaram. Ele começou a namorar uma mulher que não combinava com ele, ela encontrou um homem que não tinha nada do que ela procurava em alguém. Ele se casou, ela se mudou de cidade, e nunca mais se viram, deixaram que aquilo que eles sentiam um pelo outro morresse ou se afogasse dentro de cada um deles.

Uns trinta anos depois ela se lembra dessa história, e com os olhos cheios de lágrimas diz que se pudesse voltar atrás teria ficado com ele, porque ela tinha certeza absoluta de que ele era o homem certo pra ela e ela a mulher certa pra ele. Ela tinha certeza absoluta de que teria dado certo, mas agora é tarde de mais...

As histórias se repetem (com algumas modificações, é claro). O ciclo continua, por mais que eu não queira ver essa história se repetir.



Sim, essa história se trata daquilo que os românticos chamam de “almas gêmeas”. Eu sempre pensei que fosse besteira, mas depois que você sente algo que só pode ser interpretado dessa maneira boba e emocional você percebe que isso pode existir, afinal.

Mas, se trata também do medo covarde que nos faz perder grandes oportunidades na vida, que não nos deixa arriscar.

Eu sempre preguei que nós devemos fazer tudo o que pudermos e tudo o que quisermos, para que se der errado possamos dizer “Eu tenho certeza que fiz tudo que poderia ter feito”. Acho burrice alguém desistir de algo que quer e que sabe que pode ter só por medo, covardia, insegurança... No fim essa pessoa só poderá se perguntar “Se eu tivesse tentado, o que teria acontecido?”.

"A cada dia que vivo, mais me convenço de que o desperdício da vida está no amor que não damos, nas forças que não usamos, na prudência egoísta que nada arrisca e que, esquivando-nos do sofrimento, perdemos também a felicidade."

12 comentários:

Allyson disse...

Perfeita citação do final dessa "Pregação", querida! Tenho até receio de dizer que tenho "reflexo" de sua mãe, por assim dizer... E que, por mais que o "se" seja cruel, o que mais importa é não desistir, por mais que tudo lhe mostre ser passado, nada se perde... Sua mãe sente saudades do que provara, e isso é eternizado... Basta determinação para encontrar novamente, e quem sabe o que aconteça... Aliado ao que você prega que tudo deve ser feito do que puder e quiser, acrescento que "nunca desista do que queira".

Sempre obrigado por conceder-me visitar seu cantinho, querida!

Abração

Certas Coisas!|! disse...

Nossa, nossa hein!! Gosteii d+ da do assunto abordado, parabens seu blog da lindo...

Fê, disse...

Almas gêmeas..eu sempre acreditei muito no amor.
Muita gente têm medo de dizer o que sente por medo de rejeição-fato... é difícil se declarar,a insegurança bate na porta na hora. O lado ruim disso é o arrependimento. Eu só acho que é melhor tentar e ser rejeitado do que morrer sem tentar.

amei teu blog,teu lay e tuas palavras. Muito sucesso. Já me tornei seguidora.

Keisy disse...

...Almas gemeas' s2 AHHH Lindo D++++! O seu blog é muito, muito booom! PARABÉNS! bjs!

Renata Bertolini disse...

Muito bom o post! Estou de acordo com você, é muito melhor se arrepender de ter feito, do que viver pro resto da vida com esta dúvida. E o pior é que muita gente passa por isso... Obrigada pelo comentário no meu blog. Mto lindo o layout do seu!

Julio... disse...

parabéns pelo post e pelo blog..!!
gostei mto!!
A maior problema é qdo a pessoa certa..aparece na hora errada!! ^^

bjs!

Luiz Guilherme disse...

é;;as veses um sebtimento é capaz d nos pernder d forma tão simples q somos capazes de enlouquecer de tantas coisas boas q nos circulam...

http://guilg7.blogspot.com/

vlw

Luis Henrique disse...

Bonito

Certas Coisas!|! disse...

Inteligência é vivacidade, é espontaneidade. É receptividade, é vulnerabilidade. É imparcialidade, é a coragem de viver sem conclusões. E, por que eu digo que é coragem? É coragem porque, quando você vive de acordo com uma conclusão, a conclusão protege você, a conclusão dá a você segurança, proteção. Você sabe muito bem, sabe como chegar a ela, você é muito eficiente com ela. Viver sem uma conclusão é viver na inocência. Não existe segurança, você pode errar, pode se desviar do caminho certo.

se puder passa no meu

www.euvoustar.blogspot.com

Stephanie disse...

Gostei do que você escreveu, "certas coisas!". =)
Vou dar uma olhada no seu blog sim.

Stephanie disse...

Brigada pelos comentários, gente :*

MED MUCHSTTER disse...

Sempre há histórias inesqueciveis, aquela que sente frio na barriga até hoje. Aqui fala uma apaixonada, Passa no meu blog caso goste de uma historia linda e REAL, de AMOR :) Parabéns pelo Blog

Postar um comentário